Carlos Vergara abre individual no dia 29/7 na Galeria Bolsa de Arte, em São Paulo

A partir do dia 29 de julho, terça-feira, Carlos Vergara abre na filial paulistana da Galeria Bolsa de Arte de Porto Alegre uma individual que inclui pinturas, esculturas, pastel, óleo e resina em papel. “Trata-se de uma afirmação da pintura como procedimento, mesmo quando inclui monotipia ou outra forma de registro de imagem, mas sempre buscando um acontecimento único e novo”, diz Vergara. As obras seguem em exibição até o dia 26 de agosto.

“Vários podem ser os pretextos [para a elaboração das obras], como um canto de paisagem esquecido, escondido, uma implosão, um telhado visto por baixo, algo que possa estruturar uma ação sobre o suporte, na busca de um novo tipo de beleza, inédita. Um trabalho construído para se ver pensando”, afirma Vergara.

Ao longo da exposição, a ideia é que o espectador busque novos caminhos para o ato de olhar. A natureza aparece em todo o percurso das obras de Vergara. Se serve como pretexto, serve também muitas vezes como matéria-prima.

Sobre elas, diz Juliana Rego Ripoli: “Tanto as monotipias – esse processo de decalque da natureza no qual o pigmento, a cor, a textura e os materiais que vêm da terra constroem uma nova forma de expressão para a pintura –, quanto as pinturas e as esculturas fazem uso da natureza como matéria. Ambas estão impregnadas de um gesto que as qualifica com uma força vital sem tamanho, um diálogo entre natureza e a expressão artística que reavaliam a nossa experiência com o mundo, pois solicita que o nosso olhar se torne mais sensível para situações que, por estarmos tão absortos em nós mesmos, nem percebemos”.

Gravador, fotógrafo, pintor, cenógrafo, Vergara tem uma trajetória  impossível de ser reduzida a uma linha ou tema. Embora tenha ênfase na pintura, ao longo de sua carreira o artista já se debruçou sobre o Carnaval – nas fotografias com interferências de sua série sobre o bloco Cacique de Ramos -, já trabalhou mais próximo de uma estética que remetia ao neoexpressionismo (que viria a ser tendência apenas uma década depois na Europa), o que dialogava também com o caminha percorrido por um de seus mestres, Iberê Camargo, com quem teve aulas.

Anúncios
Sem categoria

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s