[Retrospectiva 2015] Vernissage TV publica lista com os 10 vídeos mais vistos do ano

A Vernissage TV é um projeto que publica vídeos sobre as principais exposições e eventos de arte contemporânea, design e arquitetura ao redor do mundo. O ranking dos vídeos mais vistos em suas plataformas de distribuição (no próprio site ou em canais do Youtube, iTunes, Vimeo, entre outros) pode ser considerado um panorama geral de como foi o ano para as artes visuais ao redor do mundo.

Os dois vídeos mais vistos em 2015, por exemplo, fazem uma breve cobertura da Bienal de Veneza – que é, certamente, um dos eventos de arte mais importantes do calendário das artes.

Confira a lista e assista aos vídeos:

  1. Venice Art Biennale 2015: Arsenale

Continuar lendo

Anúncios

Bienal de Veneza ultrapassa 500 mil visitantes em 2015

Encerrada na última semana de novembro, a 56ª edição da Bienal de Veneza divulgou um total de 500,875 visitantes – uma média de 2.899 visitantes por dia. Os números vêm aumentando lentamente desde 2009 e cresceu cerca de 5,5% desde a sua última edição, em 2013.

Um dos mais tradicionais eventos do calendário de artes mundial, a Bienal de Veneza permaneceu aberta ao público por sete meses. “All the World’s Future”, organizada por Okwui Enwezor, foi o tema escolhido para a exposição principal que ocupou o Pavilhão Central no Giardini. No total, 89 participações nacionais marcaram presença, incluindo a estreia de países como Moçambique e Mongolia.

André Komatsu, Berna Reale e Antonio Manuel foram os três artistas selecionados pelo curador Luiz Camillo Osorio para representar o Brasil. Em uma mostra política, sob o título “É Tanta Coisa Que Não Cabe Aqui”, os três construíram um lugar de aprisionamento como crítica a uma falsa liberdade em que transita o indivíduo contemporâneo.

Imagens da 56ª Bienal de Veneza


Antonio Manuel, no Pavilhão Brasileiro. Foto via Instagram @julianablau


André Komatsu, Berna Reale e Antonio Manuel, os três artistas que representam o Brasil na 56ª Bienal de Veneza. Foto: Patricia Rousseaux. Foto via Instagram @brasileiroseditora

Phoot: @verandamag
Foto via Instagram @verandamag

Hito Steyerl at the German Pavilion.Photo: Job Piston.
Hito Steyerl, Factory of the Sun no Pavilhão Alemão

Jeremy Deller. Photo: Job Piston
Jeremy Deller, Factory Records, no Pavilhão Central

"Your first step into the #Arsenale is a stunner from #artworld #giant Bruce Nauman. Text based #neon from 1972-80s. I am of course too #innocent to #understand these #words and will leave it in your capable #hands #VeniceBiennale #art #artist #artlover #culture #artoftheday #text #language #contemporaryart #word #contemporaryart #master #usa #Venice" - @culturerow
Bruce Nauman no Arsenale. Foto via Instagram @culturerow

John Akomfrah. Photo: Job Piston
John Akomfrah, Vertigo Sea no Pavilhão Central.

"Double #artselfie with #PetahCoyne in her blown-glass installation "Mirror Mirror," made with artisans in Murano, in #Glassstress #VeniceBiennale" - @robincembalest
Petah Coyne, instalação Mirror, Mirror. Foto via Instagram @rcembalest

"Masterpieces at #AustralianPavilion, "All the King's men", #FionaHall 2015 (knitted military uniforms). #EarlymorningatGiardini #VeniceBiennale" - @giovannileonardobassan
Fiona Hall, All The King’s Men, no Pavilhão Australiano. Foto via Instagram @giovannileonardobassan

"Katharina Grosse at #Arsenale #katarinagrosse" - @leparadox
Katharina Grosse, Untitled Trumpet, no Arsenale. Foto via Instagram @leparadox

"Eva & Adele exhibition opening with SWATCH + Faces 2015! #eva&adele #swatch #swatchfaces #venicebiennale" - @vasilitsereteli
Eva & Adele SWATCH + Faces. Foto via Instagram @vasilitsereteli

"Anna Boghiguian, Ani, 2015, for Armenity, in the #ArmenianPavilion #Venicebiennale via @artforum #bethechange #art #artist #politics #Egypt #plants #annaboghiguian #shebuilds #womeninarchitecture #arts #design" - @architexx_xx
Anna Boghiguian, Armenity no Pavilhão Armênio. Foto via Instagram @architexx_xx

"#ShilpaGupta at #MyEastIsYourWest at #PalazzoBenzon #biennaledivenezia #venicebiennale" - @frederic_net
Shilpa Gupta, My East is Your West, no Palazzo Benzon. Foto via Instagram @frederic_net

Vik Muniz, Lampedusa Photo: via Instagram/@creativetimenyc.
Lampedusa, de Vik Muniz, nos canais de Veneza. Foto via Instagram @creativetimenyc

Photo: via Instagram/ @atpdiary.
Simon Denny, Secret Power, no Pavilhão Neo Zelandes. Foto via Instagram @atpdiary

Photo: via Instagram/ @yvonneforce.
Instalação de Vanessa Beecroft no Pavilhão Italiano. Foto via Instagram @yvonneforce.

Sarah Lucas, I SCREAM DADDIO, Installation View, British Pavilion 2015Photo: Cristiano Corte © British Council
Sarah Lucas, I Scream Daddio, no Pavilhão Britânico.

Marina Abramovic, Miranda Mirianashvili, and Maria Baibakova. Photo: via Instagram/@baibakovaart.
Marina Abramovic, Miranda Mirianashvili e Maria Baibakova em festa. Foto via Instagram @baibakovaart

Eva and Adele at the British Pavilion. Photo: via Instagram/ @katarinaschwarz9.
Eve e Adele no Pavilhão Britânico. Foto via Instagram @katarinaschwarz9

Cate Blanchett at the Australian Pavilion. Photo: via Instagram/@theartnewspaper.official.
Cate Blanchett no Pavilhão Australiano. Foto via Instagram @theartnewspaper.official

"Lili Reynaud Dewar, My Epidemic (Small Bad Blood Opera), 2015. All the World's Future, 56. #VeniceBiennale" - @kunstkritikk
Lili Reynaud Dewar, My Epidemic (Small Bad Blood Opera), na Arena. Foto via Instagram @kunstkritikk

"#chiharusiota #japan #pavilion #VeniceBiennale #keyinhand #gioppone" - @lapislazulibbl
Pavilhão Japonês. Foto via Instagram @lapislazulibbl

Photo: Job Piston
Chiharu Shiota, The Key in the Hand, no Pavilhão Japonês. Foto: Job Piston

"I survived Uncle Rob's Flea Market! #robpruitt #fearlessleader #fleamarket #venice #venezia #biennale #biennale2015 #venicebiennale #ApiuA" - @marina_allora_rotondo
Rob Pruitt’s Flea Market. Foto via Instagram @marina_allora_rotondo

"#pamelarosenkranz at the #swisspavillion #venicebiennale2015" - @mrmattiadeluca
Pamela Rosenkranz, Our Product, no Pavilhão Suiço. Foto via Instagram @mrmattiadeluca

"Sean Lynch, Adventure: Capital, #IrishPavilion, 56. #VeniceBiennale" - @kunstkritikk
Sean Lynch, Adventure: Capital, no Pavilhão Irlandês. Foto via Instagram @kunstkritikk

"Vincent J. F. Huang at Tuvalu Pavillion #biennale2015 #biennalearte2015 #VeniceBiennale" - @artruby
Vincent J.F Huang, no Pavillhão de Tuvalu. Foto via Instagram @artruby

ICCo publica ensaios relacionados ao 2º Forum Mundial de Bienais

Já está disponível para download a publicação “Making Biennials in Contemporary Times – essays from the World Biennial Forum nº 2”, uma coedição da Biennial Foundation, Fundação Bienal de São Paulo e ICCo – Instituto de Cultura Contemporânea, que reúne ensaios sobre os temas abordados durante o Fórum Mundial de Bienais nº2.

Realizado em novembro de 2014 no Auditório do Ibirapuera, em São Paulo, o Fórum reuniu 135 representantes de mais de uma centena de instituições dos cinco continentes para discutir temáticas relacionadas à prática e ao formato das bienais de arte.

Em versão apenas em inglês, o livro reúne 16 ensaios de curadores, pesquisadores, historiadores da arte, filósofos e jornalistas nacionais e internacionais. São eles: Ana Gonçalves Magalhães, Ana Paula Cohen, Anne Szefer Karlsen, Anthony Gardner, Cayo Honorato, Daniel Rangel, David Teh, Elvira Dyangani Ose, Fernando Oliva, Fabio Cypriano, Lucy Steeds, Manuela Moscoso, Marina Fokidis, Moacir dos Anjos, Övül Durmusoglu e Peter Osborne. Assinam como editores da publicação os diretores artísticos do Fórum Mundial de Bienais N º 2 e curadores da 31ª Bienal de São Paulo: Charles Esche, Galit Eilat, Nuria Enguita Mayo, Pablo Lafuente, Luiza Proença , Oren Sagiv e Benjamin Seroussi.

O lançamento do livro ocorre hoje no Pavilhão do Brasil na Bienal de Veneza.

Clique aqui para folhear a versão online da publicação.

Berna Reale representa o Brasil na Bienal de Veneza

Berna Reale representa Brasil na Bienal de Veneza e, em paralelo, apresenta Eccoci!, projeto independente que exibe vídeos e fotos em fachadas públicas venezianas, em maio e novembro. Conhecida pelos temas polêmicos e problemáticos, Berna foi eleita junto a André Komatsu e Antonio Manuel para a mostra “É tanta coisa que não cabe aqui” pelos curadores Luiz Camillo Osorio e Cauê Alves (curador-assistente). A frase, inspirada pelos cartazes que tomaram as capitais brasileiras em junho de 2013, ganhou outra conotação pelas mãos da artista, que decidiu ampliar sua aparição.

Eccoci!, projeto independente da artista, exibe vídeos e fotos em fachadas públicas venezianas, tem curadoria da brasileira Caroline Carrion e do alemão Rudolf Schmitz. Nele, Berna irá apresentar os vídeos que ficaram de fora da Bienal: Sem título (2001), Palomo (2012), Ordinário (2013), Soledade (2013), Cantando na chuva (2014), Imunidade (2014) e Rosa púrpura (2014). Todas as performances foram realizadas em Belém, sua cidade natal, e com forte teor político.

As projeções acontecerão em dois momentos: na semana de abertura da Bienal de Veneza, em maio, e na de fechamento da mostra, em novembro. A primeira rodada, de 7 a 9 de maio, será no distrito de Cannaregio, com projeções na fachada de um complexo habitacional construído em 1922 para operários. A segunda, nos dias 19, 20 e 22 de novembro, toma a fachada da Scuola Grande San Giovanni Evangelista, no distrito de San Polo.

Via Instagram: #venicebiennale

Na série de posts “Via Instagram”, selecionamos as #hashtags de destaque do dia no cenário internacional das artes.

Hoje, a escolhida é #venicebiennale. A Bienal de Veneza tem abertura oficial no próximo sábado, dia 9, mas a cidade já respira arte contemporânea antes mesmo de sua estreia. Confira!

The Lampedusa moored at Arsenale.

A post shared by Vik Muniz (@vikmuniz) on

#AdrianPiper #AllTheWorldsFutures #VeniceBiennale #venice

A post shared by Gasconade By Air (@gasconade_by_air) on

#antoniomanuel #venicebiennale #brazilianpavillion

A post shared by Jose Aloy Poligrafa (@josealoypoligrafa) on

#migliora #vb2015 #venicebiennale

A post shared by Katherine Sweetman (@katherinethesweet) on

As 20 melhores Bienais, Trienais e eventos do gênero do mundo

Assim como o calendário internacional vem sendo preenchido por um número cada vez maior de feiras, as bienais de arte (trienais, quadrienais e outras do gênero) também vêm se proliferando ao longo das últimas duas décadas. A ponto de uma organização internacional criar a Biennial Foundation, a fim de catalogar todos estes eventos.

Em outras palavras, as bienais tornaram-se um grande negócio, com inúmeras cidades em busca de atrair turistas, gente ligada às artes e negócios. Dentre as várias opções, o portal ArtNet selecionou os 20 eventos mais importantes – onde figura, entre outras, a Bienal de São Paulo. Confira:

Giardini, o local principal da Bienal de Veneza (junto com o Arsenale)

1. La Biennale di Venezia
Desde 1895
A 56ª edição acontece entre 9 de maio e 22 de novembro de 2015

2. Documenta
Desde 1955, a cada cinco anos
A 14ª edição acontece entre 10 de junho e 17 de setembro de 2017

3. The Whitney Biennial
Desde 1932
A edição de 2014 foi encerrada em 25 de maio

4. Manifesta
Desde 1996
A próxima edição acontece entre 28 de junho e 31 de outubro deste ano

5. Gwangju Biennale
Desde 1995
A 10ª edição acontece entre 5 de setembro e 9 de novembro de 2014

6. Carnegie International
Desde 1896, a cada 3 ou 5 anos
A 56ª edição foi encerrada em 16 de março

Vista do interior do Pavilhão da Bienal, em São Paulo

7. Bienal de São Paulo
Desde 1951
A 31ª edição acontece entre 6 de setembro e 7 de dezembro de 2014

8. Sharjah Biennial
Desde 1993
A 12ª edição acontece entre março e junho de 2015

9. Istanbul Biennial
Desde 1987
A 14ª edição acontece entre 1º de setembro e 1º de novembro de 2015

10. La Biennale de Lyon
Desde 1991
A 13ª edição acontece entre 10 de setembro de 2015 e 3 de janeiro de 2016

11. Bienal de La Habana
Desde 1984
A 12ª edição acontece entre 22 de maio e 22 de junho de 2015

Pawel Althamer, na St. Elisabeth Church, para a Bienal de Berlim

12. Berlin Biennale
Desde 1998
A 8ª edição acontece até 3 de agosto de 2014

13. The Biennale of Sydney
Desde 1973
A 19ª edição se encerra em 9 de junho de 2014

14. DAK’ART
Desde 1990, a cada dois anos
A 11ª edição se encerra em 8 de junho de 2014

15. Liverpool Biennial
Desde 1998
A 8ª edição acontece entre 5 de julho e 26 de outubro de 2014

16. Shanghai Biennale
Desde 1996
A 10ª edição acontece entre 22 de novembro de 2014 até 31 de março de 2015

17. Yokohama Triennale
Desde 2001
A 5ª edição acontece entre 1º de agosto e 3 de novembro de 2014

18. Marrakech Biennale
Desde 2005
A 5ª edição foi encerrada em 31 de março de 2014

19. Taipei Biennial
Desde 1992
A 12ª edição acontece entre 13 de setembro de 2014 e 4 de janeiro de 2015

20. Prospect New Orleans
Desde 2008, com intervalos irregulares
A 3ª edição acontece entre 25 de outubro de 2014 e 25 de janeiro de 2015

Via ArtNet

Vídeo: 60 obras em 60 segundos – Bienal de Veneza

Em 1955, Marino Auriti concebeu um museu onde ele esperava abrigar todo o conhecimento do mundo. Sua concepção – Il Palazzo Enciclopedico (O Palácio Enciclopédico) é a inspiração central por trás da 55ª Bienal de Veneza.

O projeto de Auriti, de construir um prédio de 136 andares em Washington, nunca foi realizado. Agora, em Veneza, Massimiliano Gioni – curador desta bienal – conseguiu organizar uma exposição verdadeiramente abrangente e universal, prestando uma homenagem à visão utópica de Auriti.

O site ArtInfo visitou a Bienal e selecionou 60 destaques, que você pode conferir neste vídeo.

Massimiliano Gioni é o curador da 55 ª Bienal de Veneza

Massimiliano Gioni será o curador da 55 ª Bienal de Veneza, tendo sido hoje nomeado diretor do setor das artes visuais. Gioni é atualmente diretor associado do New Museum e diretor artístico da Fondazione Nicola Trussardi. A direção da Bienal indicou também o compositor Ivan Fedele para diretor do setor de música por um mandato de quatro anos e confirmou que Àlex Rigola, que foi diretor do setor de teatro em 2010 e 2011, continuará nos próximos dois anos. Ismael Ivo, diretor do setor de dança desde 2005, foi igualmente confirmado para o ano de 2012.

Paolo Baratta, presidente do conselho de administração, comentou em comunicado de imprensa que “a Bienal vai na direção do pluralismo e da continuidade. . . . Nas artes visuais, depois de reconhecer o sucesso da edição de Bice Curiger, o conselho decidiu nomear o novo diretor com muita antecedência, e entre as possíveis opções no campo internacional, escolheu Massimiliano Gioni, uma personalidade jovem que já acumulou inúmeros compromissos importantes, os quais honrou muito bem, ganhando a estima de artistas e críticos em todo o mundo.”

Obras de Kapoor em Paris, Milão, Veneza e Basel

kapoor

Ascensión, de Kapoor, um dos destaques da Bienal de Veneza

Aclamado por grande parte da crítica e pelo público, o escultor e arquiteto indiano-britânico Anish Kapoor (Mumbai, 1954) invade a Europa com várias exposições simultâneas. Algumas das suas peças engolem literalmente o espectador, deixando-o passar pelo seu interior. Outras são menos interativas, mas oferecem sempre sensações novas e heterogêneas.

Depois de encantar o Millennium Park de Chicago com o seu Cloud Gate, talvez a obra contemporânea mais visitada da atualidade, o escultor seduz agora Paris com uma sutil e descomunal peça de borracha vermelha, especialmente concebida para o Grand Palais. Trata-se de um globo translúcido ao qual deu um nome bíblico, Leviathan, o monstro marinho da mitologia judaico-cristã.

Kapoor, considerado o grande mago contemporâneo da escultura, também é uma das estrelas da Feira de Basel, como convidado especial na seção Art Unlimited.

Em Milão, Kapoor exibe uma retrospectiva com sete obras, espalhadas pelos espaços da Rotonda de la Besana: peças da última década, com as quais o artista revolucionou a forma de criar e observar a escultura.

Por fim, Ascensión, uma instalação conceitual que Kapoor realizou em 2003 em San Gimignano, é uma dos grandes atrações da Bienal de Veneza.