Em instalação pública, Ai Weiwei homenageia refugiados afogados durante festival de filmes em Berlim

Nos últimos dias, o artista chinês Ai Weiwei vem divulgando em seu perfil do Instagram fotos de sua mais recente instalação pública. O artista prendeu cerca de 14 mil coletes salva-vidas nas colunas frontais da Konzertaus, sala de concertos de Berlim datada do século 19. A instalação é uma homenagem aos refugiados que morreram no mar, na tentativa de escapar da guerra e da pobreza no Oriente Médio e norte da África.

Os coletes em cor laranja foram recolhidos por Weiwei em suas viagens frequentes à ilha grega de Lesbos, onde centenas de pessoas buscam abrigo todos os dias, depois de completar a perigosa travessia do mar da Turquia.

Berlim encontra-se em meio ao seu festival anual de cinema, que atrai estrelas internacionais e as principais figuras da indústria cinematográfica. A intervenção no Konzertaus foi instalada para coincidir com a exibição de gala Cinema for Peace, que acontece na noite de hoje, 15 de fevereiro.

Gendarmenmarkt .Berlin

A post shared by Ai Weiwei (@aiww) on

Gendarmenmarkt Berlin

A post shared by Ai Weiwei (@aiww) on

Gendarmenmarkt. Berlin

A post shared by Ai Weiwei (@aiww) on

Gendarmenmarkt Berlin

A post shared by Ai Weiwei (@aiww) on

Gendarmenmarkt

A post shared by Ai Weiwei (@aiww) on

Anúncios

Instalação monumental de Artur Lescher ocupa a Piero Atchugarry Gallery, no Uruguai

Para compreender o impacto visual de “Inner Landscape”, instalação do brasileiro Artur Lescher na Piero Atchugarry, é preciso conhecer um pouco sobre o espaço em si. A galeria fica no interior do Uruguai e ocupa um estábulo restaurado. Para chegar nela é preciso percorrer uma estrada de terra. É um espaço elegante, ideal para Lescher – artista cujas obras investigam a relação entre o espaço da galeria e seu entorno – criar uma de suas instalações.

“Inner Landscape”, o título da exposição, sugere o tema da instalação site-specific. Nela, Lescher não apenas exibe o trabalho dentro da galeria; ele usa painéis coloridos e espelhos para transformar a própria galeria, criando uma troca entre o exterior e o interior. Os visitantes “ativam” a instalação ao entrar no espaço prismático e interagir com a instalação, como em um caleidoscópio em tamanho natural que coloca o espectador em seu centro.

O componente humano é fundamental em muitas das obras de Lescher e na arte neo-concreta, movimento brasileiro que teve grande influencia sobre ele. Neste trabalho, o foco é a experiência do espectador. Ao colocar o público e o ambiente no centro deste processo, o artista criou um evento excepcional onde cada indivíduo é o verdadeiro ativador de uma estética sugestiva e intrigante.

“Inner Landscape” permanece na Piero Atchugarry Gallery, Pueblo Garzón, Uruguai, até 10 de abril

 

Frieze anuncia permanência inédita do Sculpture Park até janeiro de 2016

Seung-taek Lee, Earth Play, 1979-89. Balloon painted with oil, 500cm diameter (Courtesy of Gallery Hyundai)

Pela primeira vez o Sculpture Park, seção da Frieze Londres que contempla esculturas e instalações ao ar livre, permanecerá nos jardins do Regent Park até 17 de janeiro de 2016, três meses depois do término da feira.

Parte integrante da feira desde 2005, o Sculpture Park apresentou nesta edição 16 trabalhos de importantes artistas internacionais. A curadoria deste ano justapôs trabalhos de significância histórica ao lado de obras modernas e de vanguarda contemporânea.

Os trabalhos apresentados este ano incluem: “Lock” (1976-7), grande obra de Richard Serra e exibido publicamente pela primeira vez desde 1977; “Open Secret” (2014) de Carol Bove; um monolito da cultura Pré-Ekoi da África Ocidental, estimado entre 800 e 1000 anos de idade; performances de Anri Sala; e um tetraedro em forma de árvore de Conrad Shawcross, parte de sua recente instalação no pátio da Royal Academy de Londres.

Confira a lista completa das obras do Sculpture Park em 2015 (as obras destacadas são as que têm permanência estendida)

Aaron Angell *
Shoe Chew 2015
RobTufnell

Carol Bove *
Open Screen 2014
David Zwirner

Tony Cragg
Contradiction 2014
Lisson Gallery

Leo Fitzmaurice
Litter 2015
The Sunday Painter

Seung-taek Lee
Earth Play 1979-89
Gallery Hyundai

Haroon Mirza collaboration with Mattia Bosco *
Standing Stones (Solar Symphony 8) 2015
Lisson Gallery

Pre-Ekoi
Anthropomorphic Monolith 11th-14th Century
Didier Claes Gallery

Kathleen Ryan *
More is More Snake Ring 2015
François Ghebaly Gallery

Anri Sala
To Each His Own (in Bridges), 2015
Galerie Chantal Crousel, Marian Goodman Gallery

Richard Serra *
Lock 1976-77
Peter Freeman, Inc.

Conrad Shawcross *
The Dappled Light of the Sun IV 2015
Victoria Miro

Dominique Stroobant
La Sfera Schiacciata III 200
Axel Vervoordt Gallery

Takis
Signal 1985
Axel Vervoordt Gallery

William Turnbull
Large Female Figure 1991
Offer Waterman

Gary Webb *
Dreamy Bathroom 2014
The Approach

Jesse Wine
Let me entertain you 2015
Limoncello

Instalações e obras públicas para desfrutar enquanto visita Nova York nesta temporada

É verão no hemisfério norte, temporada ideal para quem deseja aproveitar o clima enquanto desfruta das obras públicas que cidades como Nova York oferece.

Confira a lista das atrações imperdíveis selecionadas pelo portal Artnet.

Urs Fischer, Big Clay #4, Seagram Building Plaza

Seagram Building Plaza, 375 Park Ave entre 52nd e 53rd Street; até 1º de setembro

Hanna Liden, “Everything,” Hudson River Park and Ruth Wittenberg Plaza

Hudson River Park; até 20 de outubro.
Ruth Wittenberg Plaza, na 6th Ave com Christopher St; até 24 de agosto

Vários artistas, “Image Objects,” City Hall Park

City Hall Park, Lower Manhattan; até 20 de novembro

14 Sculptors, “Oh Sit! 12 Sculptors Consider the Chair,” Highbridge Park

Highbridge Park (entrada pelo 172nd Street and Amsterdam Avenue); até 8 de novembro

Heide Fasnacht, Suspect Terrain, Socrates Sculpture Park

Socrates Sculpture Park, 32-01 Vernon Boulevard, Long Island City; até 30 de agosto

DB Lampman, “The Dance”, Tappen Park

Tappen Park, Staten Island; até 14 de setembro

Vários artistas, “FLOW.15”, Randall’s Island

Randall’s Island; até 30 de agosto

Vicki Da Silva, “East River Flows,” East River Esplanade

East River Esplanade, na 116th Street; até 31 de agosto

Vários artistas, “Figment NYC”, Governors Island

Governor’s Island; até 25 de setembro

Seward Johnson, “Seward Johnson in New York,” Garment District Plaza

Garment District Plaza, Broadway entre 36th e 41st Street; até 15 de setembro

Santiago Calatrava, “Santiago Calatrava: On Park Avenue,” Park Avenue

Park Avenue entre 52nd e 55th Streets; até meados de novembro

Sebastian Masuda, “Time After Time Capsule”, Dag Hammarskjold Plaza

Dag Hammarskjold Plaza, 47th Street entre 2nd e 1st Avenues; até 13 de setembro

Vários artistas, Welling Court Mural Project, Astoria

136 diferentes locais nos arredores de Welling Court, Astoria; exposição contínua

Vários artistas, Coney Island Walls, Coney Island Boardwalk

Coney Island Boardwalk, 1320 Bowery Street; exposição contínua

Marina Abramovic estreia nova instalação no Luminato Festival

 

Luminato, o festival de Toronto de artes e criatividade, acontecerá entre os dias 14 e 23 de junho e, entre suas atrações, contará com uma instalação inédita de Marina Abramovic, considerada uma das artistas mais importantes da atualidade.

A instalação é composta por sete pavilhões interligados, onde o público será convidado a participar de algumas experiências. Durante as duas horas em que os participantes permanecerem dentro da instalação, vestirão jalecos brancos e fones de ouvido, por onde receberão as instruções. Depois, serão convidados a relatar e documentar suas experiências, que serão posteriormente transmitidas nas mídias sociais.

Recentemente, Abramovic quebrou recorde de público no MoMA de Nova York com a performance “The Artist is Present”. Por quase três meses, durante sete horas por dia, a artista permanecia sentada, imóvel e silenciosa, frente a frente com os visitantes, que se sentavam um a um para vivenciar este momento. Cerca de 850 mil pessoas passaram pelo MoMA neste período.

Galeria Nara Roesler apresenta “Wall-Eyed”, de Melanie Smith

MELAINE-SMITH-Still-from-the-video-Parres-0-2007-1_28min

Quadro do vídeo Parres 0, 2001, de Melaine Smith

A Galeria Nara Roesler realiza a primeira exposição no Brasil de Melanie Smith  representante do México na atual Bienal de Veneza. A artista, que também participará da próxima edição da Bienal do Mercosul, traz para o público brasileiro um recorte de um dos trabalhos que vem apresentando na prestigiada mostra internacional sediada na Itália, Xilitla – incidentes fora do eixo (2010/11). Para construir uma ponte entre seus trabalhos recentes Smith apresenta também Parres (2004/2006), formando um panorama mais amplo de sua produção. Ambas são séries que incluem várias mídias – pintura, fotografia, instalação e vídeo, este último sempre realizado em colaboração com Rafael Ortega.

Melanie Smith (1965, Poole, Inglaterra) vive e trabalha na Cidade do México. Ente suas exposições recentes destacam-se: Bienal de Veneza/ Pavilhão México (2011); Bienal do MERCOSUL (2011); MALI in situ. Melanie Smith, Museo de Arte de Lima, Peru (2010); Ciudad espiral y otros placeres artificiales, MIT List Visual Arts Center, Cambridge, EUA (2009), The Lab, Denver, EUA (2008), MUCA CU, DF, México (2006); Parres Trilogy (em colaboração com Rafael Ortega), Miami Art Museum, EUA (2009), Tate Britain, Reino Unido (2006); grey (negative) rectangle on white background, Galerie Peter Kilchmann, Suíça (2008).

wall- eyed – Melanie Smith
de 18 de agosto a 13 de setembro na Galeria Nara Roesler
Av. Europa, 655 – São Paulo/SP

Thiago Rocha Pitta apresenta individual na Galeria Millan

Thiago Rocha Pitta, Monumento à deriva continental, 2011. Cimento sobre tela, 5m de altura por 6m de largura

Thiago Rocha Pitta, Monumento à deriva continental, 2011. Cimento sobre tela, 5m de altura por 6m de largura

A constante transformação de elementos naturais jamais estagnados, mesmo que imóveis, aparece como eixo temático da poética de Thiago Rocha Pitta. A alteração de estados da matéria e a comunhão de materiais quase opostos – vidro e sal, cimento e pano, pedra e mel – revela a mutabilidade das coisas só aparentemente perenes em uma arte que explora o limite entre a natureza e o artifício. Em Saudades da Pangeia, exposição individual do artista que poderá ser vista na Galeria Millan entre 20 de julho e 21 de agosto, obras em diferentes suportes permitirão ao visitante se familiarizar com o universo orgânico de Rocha Pitta: o vídeo Danäe nos jardins de Górgona; a instalação Bruma rochosa; e a escultura Monumento à deriva continental.

No vídeo Danäe nos jardins de Górgona, projetado em grande dimensão na parede do espaço expositivo, experimentamos uma temporalidade estendida ao observamos um feixe de mel deslizar entre pedras, rumo ao oceano. Como um pintor, Pitta explora as diferentes cores e texturas das rochas, imprimidas a elas por séculos de processos naturais – movimentos tectônicos, desgastes por intempéries diversas, sedimentações.

Para a produção da instalação Bruma rochosa, que ocupa o segundo piso da Galeria, Thiago preenche uma larga bacia com uma solução saturada de água salgada. Dentro dela, coloca, na vertical, quatro folhas de vidro, em cujas superfícies desenha, também com água salgada, silhuetas semelhantes a cumes de montanhas. Durante a exposição, a salmoura inicialmente aplicada torna-se mais espessa e cresce além do esquema pré-definido, gerando uma estrutura irregular em diferentes camadas de um branco translúcido. As imagens criadas aparecem sobre o vidro como neblina, corte de pedra, nuvem ou paisagem polar.

O jardim da Galeria abrigará sua obra mais recente, a escultura Monumento à deriva continental, um mastro que sustenta duas grandes telas recobertas de cimento (uma versão menor da obra receberá os visitantes na antessala da Galeria). No jardim, Thiago nos lembra, com suas telas pesadas de cimento, que a realidade não é tão estática quanto pode parecer. Tudo está em processo.

Saudades da Pangeia | individual de Thiago Rocha Pitta
de 20 de julho a 21 de agosto, na Galeria Millan
R. Fradique Coutinho, 1360, São Paulo, SP

FILE [Festival Internacional de Linguagem Eletrônica] 2011

”]A 12ª edição do FILE acontece em São Paulo, entre hoje e 21 de agosto de 2011, no Centro Cultural FIESP – Ruth Cardoso. Na programação: instalações interativas e imersivas, tablets, animações, jogos e maquinemas, além de trabalhos de web arte, vídeos, documentários, clipes musicais e experimentações exclusivamente sonoras.Na primeira semana haverá apresentações de performances (Hipersônica) no Teatro do Centro Cultural a partir das 20h. A programação do FILE 2011 ocupa a Galeria de Arte do SESI, o Foyer e o Espaço FIESP.

Acompanha o FILE São Paulo 2011 o FILE PAI Paulista Avenida Interativa, que exibe diferentes trabalhos realizados com ferramentas digitais e eletrônicas em diferentes espaços internos e externos da Avenida Paulista e região.

O FILE 2011 também apresenta as séries de encontros do FILE Symposium, de 19 a 22 de julho de 2011, no Centro Cultural São Paulo. As vagas para participar dos encontros do FILE Symposium são limitadas por ordem de chegada, portanto aconselha-se chegar 30 minutos antes de cada palestra.

O acesso a todas as atividades do FILE 2011 é gratuito.

Para mais informações, visite o hotsite do Festival.

Coletiva “Só para os raros, só para loucos” na Galeria Jaqueline Martins

Nara-Amélia-1

Obra de Nara Amélia, em cartaz na coletiva

A Galeria Jaqueline Martins, inaugurada no começo do ano, apresenta agora “Só para os raros, só para loucos!”, com curadoria de Daniela Name. A frase-título, retirada da obra O Lobo da Estepe, do escritor alemão Hermann Hesse, dá o tom de delírio e sonho que permeia as obras que ficarão em cartaz na Galeria entre hoje (abertura para convidados) e 23 de julho.

Composta por cerca de 30 trabalhos, entre desenhos, gravuras, objetos, pinturas e instalações, a exposição mescla artistas representados pela Galeria Jaqueline Martins – Dudu Santos, Alzira Fragoso, Azeite de Leos e Adrianna Eu -, com autores convidados: Ronaldo Aguiar, Nara Amélia, Nino Cais, Juliana Dabasse e Daniela Carcav. As obras selecionadas formam um panorama bastante diversificado, incluindo desde uma série especial de monotipos de Azeite de Leos e gravuras de Nara Amélia feitas com a técnica de água forte, até pinturas expressionistas de Dudu Santos e uma placa de mármore preta desenhada por Alzira Fragoso.

Só para os raros, só para loucos!
de 21 de junho (para convidados) a 23 de julho na Galeria Jaqueline Martins
Rua Virgilio de Carvalho Pinto, 74 – Pinheiros – São Paulo/SP