Quem são os artistas mais populares da internet?

#WithSyria, de Banksy, via Twitter

De acordo com o Top 300 publicado pelo portal Artnet, Banksy, o anônimo artista de rua britânico, recebeu mais visitas em sua página do que qualquer outro artista do ranking consecutivamente durante os últimos seis meses.

Banksy tem sua popularidade atribuída à sua capacidade de surpreender e gerar manchetes até mesmo sobre os menores acontecimentos.

O artista japonês Nobuyoshi Araki assumiu o segundo lugar de Andy Warhol, que ficou agora com a 3ª posição. Araki, que recentemente apresentou uma controversa instalação em Nova York, é apenas um dos vários nomes inesperados entre os dez primeiros lugares, ao lado de Joel-Peter Witkin (7º) e Jock Sturges (8º).

O que estes artistas têm em comum? Araki, Witkin, Sturges e os mais conhecidos Helmut Netwon e Francesca Woodman (classificados em 6º e 10º lugares) são todos fotógrafos, que muitas vezes apresentam nus em seus trabalhos. Em outras palavras, eles podem estar recebendo visitas impulsionadas pela natureza de suas imagens, mais do que pelo seu valor de mercado.

Mas quando os resultados se restringem às buscas dentro do Artnet Price Database (PBD), cuja motivação não é “recreativa”, mas impulsionada para fins de pesquisa e coleção, a classificação é muito diferente. Pablo Picasso, o 4ª no Top 300, pula para o topo entre as pesquisas no PDB, seguido por Warhol e Joan Miró. O resultado para Roy Linchtenstein, no entanto, é elevado em ambas as listas (5º na geral e 4º no PDB), enquanto Damien Hirst e Salvador Dalí, em 11º e 12º na listagem geral, estão em 9º e 10º de acordo com os resultados do PDB.

Ocupando do 5º ao 8º lugar no ranking do PDB, Marc Chagall, Alexander Calder, Gerhard Richter e Lucio Fontana têm classificações muito menores nas pesquisas gerais, em 19º, 32º, 21º e 86º respectivamente.

Outra diferença é que os resultados das pesquisas no PDB são mais estáveis ao longo do tempo: embora a ordem mude um pouco, os dez primeiros nomes mantiveram-se constantes desde abril. No Top 300 geral, 21 artistas se revezam entre os dez primeiros ao longo dos últimos seis meses.

top300

Confira o TOP 300 dos últimos seis meses neste link.

Anúncios

MASP apresenta 200 anos de arte francesa com obras icônicas de seu acervo

Rosa e azul – As meninas Cahen d´Anvers, de Pierre-Auguste Renoir, 1881

Artistas da França e estrangeiros que migraram para o país estão reunidos na mostra “Arte da França: de Delacroix a Cézanne”, que permanece em exibição até 25 de outubro.

A exposição percorre quase duzentos anos de produção artística entre os séculos 18 e 20, através de retratos, paisagens, naturezas-mortas e cenas históricas e do cotidiano. São cerca de 80 obras de 24 artistas, entre eles Renoir, Degas, Picasso, Toulouse-Lautrec, Manet e Monet, além de documentos e fotografias do arquivo do museu.

Com curadoria de Adriano Pedrosa, diretor artístico do MASP, Eugênia Gorini Esmeraldo, coordenadora de Intercâmbio, e Fernando Oliva, curador assistente, a exposição privilegiou reunir conjuntos completos do acervo, com destaque para Renoir, Toulouse-Lautrec, Modigliani e Manet. Delacroix e Cézanne, juntos no mesmo espaço, na entrada, funcionam como vetores para todo o percurso, uma vez que apontaram, cada um em seu tempo, tanto para o passado quanto para o futuro da história da arte, pontuando transições entre a tradição e o moderno; o antigo e o novo; entre, por exemplo, Ingres e Léger.

A expografia da mostra retoma projeto de Lina Bo Bardi (1914–1992), arquiteta do MASP, para o acervo do museu. Ele resgata as estruturas tubulares de metal que exibiam as pinturas de forma suspensa, em painéis de madeira, e foram projetadas para o museu, em 1947, ano de sua fundação, na antiga sede da rua 7 de Abril, região central de São Paulo.

“O grande pinheiro”, de Paul Cézanne,1890-96

“Banhistas no Sena – Academia”, de Edouard Manet,1874

Pierre-Auguste Renoir, “A banhista e o cão Grifon – Lise à beira do Sena”, 1870

Mosaico Touch of Class: proibição do uso de bastões de selfie em museus; Maurizio Catellan vendido por £ 425 mil, Reis Magos de Rubens expostos juntos novamente, e mais…

Toda semana, a Touch of Class publica um apanhado das notícias que circularam pelo mundo das artes. Mantenha-se informado!

Untitled (1999) de Maurizio Cattelan, vendida pela Sotheby’s de Londres por £ 425 mil

Bastões de selfie banidos dos principais museus do mundo: instituições célebres como a National Gallery de Londres e o Palacio de Versalhes de Paris proibiram o uso do instrumento. Esta é uma tendência mundial, que objetiva proteger o patrimônio de instituições e museus contra possíveis acidentes causados pelos bastões.

Escultura de Maurizio Cattelan vendida por £ 425 mil: a obra sem título de 1999 é uma enorme escultura em granito preto, de 220 x 300 x 60 cm, se assemelha a um epitáfio ou um memorial. Nela, Cattelan gravou todas as derrotas da seleção de futebol da Inglaterra entre 1874 e 1998. Com estimativa inicial de preço entre £400 e £600 mil, a escultura foi vendida por £425 mil durante um leilão na Sotheby’s, em Londres. O artista italiano Maurizio Cattelan é conhecido por suas obras satíricas e controversas.

CCBB terá educadores para animar as filas: Depois de fenômenos de bilheteria como as mostras de Ron Mueck e do “Castelo Rá-Tim-Bum”, a retrospectiva de Picasso no Centro Cultural Banco do Brasil promete ser o primeiro blockbuster deste ano. São esperadas mais de 500 mil pessoas para o evento. Por conta das esperadas filas, o CCBB escalou uma equipe de 20 pessoas para organizar a entrada e propor atividades educativas e distribuição de textos sobre a vida de Picasso. Outros espaços paulistanos, como o MIS, o Tomie Ohtake e a Pinacoteca já vêm se adaptando às megaexposições, ampliando o número de bilheterias e vendendo ingressos antecipados que dão acesso com hora marcada.

Separados desde 1881, ‘Três Reis Magos’ voltam a ser expostos juntos: depois de terem sido separados em um leilão há mais de um século, os retratos dos três Reis Magos pintados pelo artista Peter Paul Rubens serão expostos novamente juntos. A mostra acontecerá na Galeria Nacional de Arte de Washington entre 22 de março e 5 de julho. Os três quadros, foram pintados em 1618; Melchior pertence ao próprio museu, enquanto Baltasar pertence ao Museu Plantin-Moretus d’Anvers, na Bélgica, e Gaspar ao Museu de Belas Artes de Ponce, em Porto Rico. Esta será uma ocasião única para ver as três telas juntas novamente.

Sotheby’s lança leilões em tempo real no eBay: a gigante do varejo online lançou uma seção em seu site dedicada a leilões em tempo real da Sotheby’s. Fotografias modernas e contemporâneas de artistas como Man Ray, Paul Strand e László Moholy-Nagy estão entre as obras do primeiro leilão, que será realizado no dia 1º de abril. Todos os leilões da Sotheby’s de Nova York, exceto suas grandes vendas bianuais de Maio e Novembro, serão transmitidos pelo eBay, permitindo que 155 milhões de usuários tenham acesso às licitações. Há planos de expandir a iniciativa para outras sedes da casa de leilões.

Quer ficar por dentro de todas as notícias do mundo das artes? Assine grátis a nossa e-magazine e receba direto no seu e-mail!

Museu do Prado recebe dez Picassos da coleção do Kunstmuseum Basel

Mujer con sombrero sentada en un sillón (Femme au chapeau assise dans un fauteuil), Pablo Picasso, Óleo sobre linho, 130,5 x 97,5 cm, 1941-42, Kunstmuseum Basel, adquirido com um aporte da Fundación Max Geldner e uma contribuição extraordinária do governo em 1967, © Sucesión Pablo Picasso, VEGAP, Madrid, 2015

Mujer con sombrero sentada en un sillón (Femme au chapeau assise dans un fauteuil), Pablo Picasso, Óleo sobre linho, 130,5 x 97,5 cm, 1941-42, Kunstmuseum Basel, adquirido com um aporte da Fundación Max Geldner e uma contribuição extraordinária do governo em 1967, © Sucesión Pablo Picasso, VEGAP, Madrid, 2015

O Museu do Prado e o Kunstmuseum Basel, em colaboração com a Comunidad de Madrid, apresentam dez obras-primas de Pablo Picasso, pertencentes ao acervo do Kunstmuseum Basel, oito das quais serão expostas pela primeira vez na Espanha.

As obras, criadas entre 1906 e 1967, serão exibidas ao lado de outras obras do Prado, na Galeria Central do museu.

O museu suíço, fechado agora para reforma, foi um dos primeiros centros europeus a adquirir obras de Picasso. As dez pinturas que compõem a mostra são as mais proeminentes do acervo e representam exemplos notáveis da evolução de sua produção, desde o verão de 1906, seu período “ibérico”, antes das investigações que resultariam no cubismo, até as obras livres e um tanto melancólicas de um Picasso final, de 1967, formando assim uma espécie de pequena retrospectiva.

As dez obras expostas, em ordem cronológica, são:

Los dos hermanos (Les deux frères)
1906; Óleo sobre linho, 141,4 x 97,1 cm

Hombre, mujer y niño (Homme, femme et enfant)
1906; Óleo sobre linho, 115,7 x 88,9 cm

Panes y frutero con frutas sobre una mesa (Pains et compotier aux fruits sur une table, Pablo Picasso, Óleo sobre linho, 163,7 x 132,1 cm, París, invierno de 1909, Kunstmuseum Basel, adquirido com uma contribuição do Dr. Richard Doetsch-Benziger, 1951, © Sucesión Pablo Picasso, VEGAP, Madrid, 2015.

Panes y frutero con frutas sobre una mesa (Pains et compotier aux fruits sur une table)
1909; Óleo sobre linho, 163,7 x 132,1 cm

El aficionado (L’aficionado)
1912; Óleo sobre linho, 134,8 x 81,5 cm

Mujer con guitarra (Femme à la guitare)
1911-14; Óleo sobre linho, 130,2 x 90,1 cm

Arlequín sentado o El pintor Jacinto Salvadó (Arlequin assis)
1923; Óleo sobre linho, 130,2 x 97,1 cm

Mujer con sombrero sentada en un sillón (Femme au chapeau assise dans un fauteuil), Pablo Picasso, Óleo sobre linho, 130,5 x 97,5 cm, 1941-42, Kunstmuseum Basel, adquirido com um aporte da Fundación Max Geldner e uma contribuição extraordinária do governo em 1967, © Sucesión Pablo Picasso, VEGAP, Madrid, 2015

Mujer con sombrero sentada en un sillón (Femme au chapeau assise dans un fauteuil), Pablo Picasso, Óleo sobre linho, 130,5 x 97,5 cm, 1941-42, Kunstmuseum Basel, adquirido com um aporte da Fundación Max Geldner e uma contribuição extraordinária do governo em 1967, © Sucesión Pablo Picasso, VEGAP, Madrid, 2015

Mujer con sombrero sentada en un sillón (Femme au chapeau assise dans un fauteuil)
1941-42; Óleo sobre linho, 130,5 x 97,5 cm

Muchachas a la orilla del Sena, según Courbet (Les demoiselles des bords de la Seine, d’après Courbet)
1950; Óleo sobre contrachapado, 100,4 x 208 cm

Venus y Amor (Vénus et l’Amour)
1967; Óleo sobre linho, 195 x 130 cm

La pareja (Le couple)
1967; Óleo sobre linho, 195 x 130 cm

Com informações do Museu do Prado, Masdearte e The Art Wolf

Mosaico Touch of Class: pontapé inicial para as exposições blockbusters do ano, Bienal de Sharjah, ataque do ISIS a Nimrud…

Toda semana, a Touch of Class publica um apanhado das notícias que circularam pelo mundo das artes. Mantenha-se informado!

Marina Abramovic (imagem) é um dos destaques do calendário de mega exposições de 2015

Cenário paulistano das artes é destaque em site internacional: O portal The Huffington Post publicou uma página destacando o fortalecimento das artes visuais na cidade de São Paulo. Sob o título “From the Streets to the Galleries, Art Is Thriving in São Paulo”, o autor fala sobre a cena de arte urbana da cidade, além da grande diversidade e qualidade dos nossos museus e galerias. O post na íntegra está no link (http://www.huffingtonpost.com/stephen-grant/from-the-street-to-the-gallery_b_6808112.html). #ArteEmSP #streetart #VisualArt

Marina Abramovic, Picasso, Miró e Kandinsky, no Brasil: é bem provável que o ano de 2015 dê continuidade ao sucesso alcançado pelas grandes exposições do ano passado. A partir do dia 10 de março, a retrospectiva de Marina Abramovic no SESC dá o pontapé inicial ao calendário das mostras blockbusters. Ao menos seis delas devem repetir o cenário das filas intermináveis de 2014 e atrair públicos recordes: Sean Scully (Pinacoteca, a partir de 11/4); Picasso (CCBB, a partir de 25/3); Kandinsky (CCBB, a partir de 9/7); Miró (Instituto Tomie Ohtake, a partir de 21/5); Acervo da Tate Modern (Pinacoteca, a partir de 18/7) e Truffaut (MIS, a partir de julho). Vale conferir. #ArteEmSP #Picasso #Miró #Kandinsky

Bienal de Sharjah: a 12ª edição da Sharjah Biennial, o mais antigo – e possivelmente, o mais influente – evento de arte contemporânea do Golfo, abriu suas portas no último dia 5 sob o título “The Past, The Present, The Possible”. A bienal apresenta obras de 55 artistas, 36 dos quais contribuindo com peças inéditas. Algumas obras serão instaladas em locais espalhados pela cidade, estendendo-se inclusive para a costa oriental do emirado. Extraoficialmente, a bienal examina como a arte contemporânea se encaixa no estado atual do “terrorismo econômico”, de acordo com a curadora Eungie Joo. A bienal permanece em cartaz até 5 de junho. #SharjahBiennial #contemporaryart #EungieJoo

ISIS ataca Ninrud: em sua campanha de destruição cultural, os extremistas do ISIS – grupo militante Estado Islâmico – saquearam e destruíram a antiga cidade assíria de Nimrud, segundo denúncia do Ministério de Turismo e Antiguidades do Iraque. Descrita como um dos mais famosos e importantes sítios arqueológicos do mundo, Ninrud teve peças saqueadas e parte do terreno aplainado. Entidades internacionais manifestaram-se repudiando a ação do ISIS. Em declaração oficial, George Papagiannis, representante da UNESCO, disse que “estes extremistas estão tentando destruir toda uma herança cultural da região na tentativa de limpar a lousa e reescrever a história à sua própria imagem brutal”. Este foi o último de uma série de ataques para destruir monumentos e artefatos históricos na Síria e no Iraque em nome de uma interpretação severa da lei islâmica.

Quer ficar por dentro de todas as notícias do mundo das artes? Assine grátis a nossa e-magazine e receba direto no seu e-mail!

CCBB exibe obras de Picasso, Warhol e Basquiat na mostra “Visões da Coleção Ludwig”

Obra de Basquiat presente na exposição “Visões na Coleção Ludwig”, em cartaz até 21 de abril no CCBB-SP

A exposição apresenta 70 obras provenientes da Coleção Ludwig, sediada no Museu Estatal Russo de São Petersburgo. A mostra conta com obras-primas da arte pop, do neoexpressionismo alemão, do fotorrealismo e outros movimentos internacionais de arte a partir dos anos 1960 até hoje.

Entre os artistas apresentados estão Pablo Picasso, Andy Warhol, Robert Rauschenberg, Roy Lichtenstein, Jeff Koons, Jean-Michel Basquiat, Joseph Beuys, Gerhardt Richter, Anselm Kiefer, George Baselitz, entre outros.

As obras fazem parte da coleção particular de Peter Ludwig (1925-1996), empresário alemão que acumulou durante sua vida uma enorme quantidade de obras de arte contemporâneas. Ludwig é um dos patronos das artes em seu país e o dono da maior coleção particular de Picasso do mundo.

Com informações do CCBB e UOL

Quadro de Picasso é vendido por US$ 45 milhões em leilão

Visitante observa a obra “Femme assise pres d’une fenetre”, de Pablo Picasso, durante as vendas do leilão Impressionist and Modern Art Evening Sale da Sotheby’s, em Londres

Um retrato da amante de Picasso, Marie-Therese Walter, foi vendido em Londres na última terça-feira por cerca de 45 milhões de dólares em um leilão da Sotheby’s.

O quadro “Femme assise pres d’une fenetre” (Mulher sentado perto da janela), pintado em 1932, foi arrematado por um comprador anônimo, mas não superou as expectativas iniciais de preço.

A pintura foi a estrela da noite de vendas de obras impressionistas, modernas e surrealistas.

No total, as vendas dos lotes do leilão somaram 121,1 milhões de libras, valor dentro da faixa estimada durante a pré-venda, entre 103 e 149 milhões.

 

Fonte: ArtDaily

Picasso é vendido por US$ 41,5 milhões em leilão da Sotheby’s

O quadro “Nature morte aux tulipes” – um retrato da amante de Picasso, pintado em 1932, era uma das nove obras à venda neste leilão, onde quase um terço dos lotes encalharam. Com isso, apesar da venda astronômica, a Sotheby’s não bateu sua meta de arrecadar cerca de 170 milhões de dólares.

“Nature Morte” e “Femme à la Fenêtre”, dois retratos da musa picassiana Marie-Therese Walter, conseguiram superar as estimativas prévias ao leilão. A segunda obra saiu por 17,2 milhões de dólares, incluindo a comissão.

Na véspera, a concorrente Christie’s também tinha realizado um leilão com resultados que ficaram aquém da estimativa mínima inicial, que era de 209 milhões de dólares. Esses valores devem causar turbulência no mercado de arte.

Embora várias obras tenham sido vendidas dentro do valor estimado (que não inclui a comissão de cerca de 12 por cento dos leiloeiros), e algumas poucas tenham obtido significativamente mais, houve baixas significativas, caso de outro Picasso, “Plant de Tomate”, que podia valer 10-15 milhões de dólares, mas não atraiu um lance mínimo de 9 milhões.

Na próxima semana, Sotheby’s e Christie’s continuam a temporada de leilões, agora com obras de arte contemporânea e pós-guerra. No fim do mês ainda estão programados leilões de arte latino-americana.

As dez obras de arte mais caras do ano

A época de leilões aproxima-se do fim e as contas já começam a ser feitas. No primeiro semestre de 2011, de Janeiro a Junho, a venda de obras de arte em leilão superou os dois mil milhões de euros. Agora, chegando ao fim do ano, os valores estão perto de se multiplicarem e as casas de leilão poderão bater os recordes de anos anteriores.

Em tempos de crise, a aposta na arte parece ser uma opção para quem quer investir. A história tem mostrado que as obras de arte têm tendência a valorizarem-se ao longo do tempo e, por isso, a aposta dos licitadores vai para os nomes seguros. Entre as dez obras de arte mais caras – por sinal, só quadros – vendidos até agora em leilão, o nome de Pablo Picasso aparece duas vezes, assim como o do pai da pop art, Andy Warhol.

Confira a lista dos dez mais caros do mundo:

Continuar lendo